CURSOS AGENDA CONFERÊNCIAS PUBLICAÇÕES QUEM SOMOS CONTACTOS
2014
"Algumas histórias da arte omitidas, não por negligência"
Pedro Lapa
Algumas histórias da arte omitidas, não por negligência

3 de Dezembro - 4ª feira | 19h00

Nesta conferência procurar-se-á questionar a pretensão de dominância política de uma história da arte que parece acompanhar as suas mais diversas realizações. Se a pretensão a um absoluto exterior se revela mirífica, quando não uma artimanha, algumas das suas realizações mais recentes e bem conseguidas a partir da assunção de perspetivas e modelos mais especificamente determinados, parecem sucumbir aos limites de uma estrita rearticulação de uma geografia que apenas se conhece no seu centro, omite as margens e convoca fragmentos de novas axiomatizações, relegando para o esquecimento a imensa deriva das margens. Serão assim abordados casos específicos de produções artísticas que permanecem voluntariamente omissas da reflexão, com especial enfoque na situação nacional e sul-americana.

Pedro Lapa>Professor convidado da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e Director artístico do Museu Coleção Berardo.

"Arte e Resistência na Era da Globalização"
Sofia Nunes
Arte e Resistência na Era da Globalização

19 de Novembro - 4ª feira | 19h00

As possibilidades de resistência das práticas artísticas parecem perder a sua pertinência ou simplesmente dissipar-se quando confrontadas com a condição histórica atual. Se, por um lado, a chegada da era da globalização (termo tão familiar quanto difuso) com os seus intensos fluxos e interseções políticas, económicas e culturais é celebrada como um processo histórico de cariz libertário, onde pessoas, bens, informação e conhecimento circulam livremente; por outro lado, esse traço libertário não é senão a regra da nova forma expansionista do capitalismo que ao penetrar em todas as esferas da vida, incluindo a arte, domina as suas relações e anula exterioridades. Num contexto adverso a gestos de resistência, fará ainda sentido pensar nas práticas artísticas como produção crítica? Que formas críticas se oferecem hoje à arte e por ela são inventadas?

Sofia Nunes>Crítica de arte, atualmente realiza doutoramento em História da Arte / Teoria da Arte na FCSH-UNL com bolsa da FCT e é membro do Instituto de História da Arte/FCSH-UNL.

* imagem: Öyvind Fahlström, World Map, 1972.
"A crítica e o olhar livre"
Nuno Crespo
A crítica e o olhar livre

12 de Novembro - 4ª feira | 19h00

Desde que há arte que se escreve sobre arte. O estatuto desta “escrita” é problemático. Umas vezes assume-se como teoria, outras como história, outras como filosofia. Esta escrita a que chamamos crítica é um terreno especulativo onde se articulam não só questões de facto, mas quase sempre questões de valor. Qualquer que seja a sua natureza, filiação e genealogia, o gesto crítico, condição da prosa reflexiva do texto crítico, diz sempre respeito a um fazer face às OA, ou seja, trata-se de assumir uma posição, de tomar partido, no terreno da arte. Por isso, a crítica nunca é um olhar livre, mas um olhar implicado ou, se preferirmos, lançado nisso que julga.

Nuno Crespo> Curador e crítico de arte. É investigador do Instituto de História da Arte/FCSH-UNL.

* imagem: Roman Ondák, Loop, 2009.
"A Legitimação da Arte Contemporânea"
António Guerreiro
A Legitimação da Arte Contemporânea

20 de Maio - 3ª feira | 18h45

“Se é verdade, como diz Adorno na primeira frase da Teoria Estética, que tudo o que diz respeito à arte, até o seu direito de existência, deixou de ser uma evidência, a que responde então aquilo a que chamamos arte contemporânea? De que modo é que esta não pode prescindir da reflexividade e do discurso sobre si? E que espécie de temporalidade é a do contemporâneo?”

António Guerreiro é crítico literário - actualmente, no jornal Público - e ensaísta. Publicou um livro de ensaios literários e sobre questões da Estética contemporânea (O Acento Agudo do Presente, Livros Cotovia) e tem artigos publicado em revistas literárias, de arte e teoria da cultura, nomeadamente sobre dois autores a que se tem dedicado: Walter Benjamin e Aby Warburg.
Arte Ilimitada Lda. - Escola de Artes Visuais